Eva percorrendo umas vezes estradas, outras veredas. Caminhando sempre com amor e a esperança de encontrar a porta certa. Parando de vez em quando para retemperar forças... admirar uma flor… uma paisagem… fazer novas amizades... e meditar... e reencontrar velhos amigos... e demais companheiros de jornada!
Segunda-feira, 04 de Julho de 2011

Se fico indiferente à sorte da minha terra, minha consciência me condena. Se me envolvo na conspiração revolucionária, o homem do violoncelo, o leitor de Platão e Góngora me olha desconfiado e me condena também à sua maneira. Em suma, o intelectual é um condenado por definição.

 

Erico Verissimo



publicado por eva às 09:29
Exacto!

Devo dizer-te Eva que adoro estas frases célebres. E quanto mais recuamos nelas, mais elas são actuais!


Graças a Deus encontrei-me em muitas delas, dado ter vivido sempre, de certa forma, num mundo à parte, pois à conta de querer viver apenas a Verdade, o mundo que resta(va) é o do isolamento... A minha mãe era exactamente como eu ou ligeiramente mais radical. Confesso que como nós nunca encontrei ninguém, mas também não conhecemos os restantes biliões...

A verdade dá trabalho e todos se pelam por uma bela mentirinha. Claro que se estiver perante tubarões cretinos, desprovidos de essência, giro adequadamente as minhas ferramentas...

Enfim, devaneios...

ç sem pé, sempre à superfície e sem barbatana
blue a 4 de Julho de 2011 às 12:17

Isto é um pouco repetitivo mas torno a subscrever o teu comentário excepto no tocante á minha mãe. Era um exemplo de bom senso e sempre tentou que me tornasse mais convenientemente social. Eu abria a boca e disparava as “verdades” mais inconvenientes sem olhar a quem. Com a agravante de eu conseguir ver para além do que se apresentava simplesmente à minha frente. Com o tempo o melhor que ela conseguiu, coitadinha, foi que eu treinasse um razoável blá blá blá em que conseguia dizer nada de útil. Mas ainda hoje dou por mim a já ter dito o que melhor seria estar calada. Este modo de ser, e como bem assinalas, acarreta uma certa solidão pois é muito difícil encontrar quem resista ao longo dos anos a este estilo.

Ç cheia de estilo
eva a 4 de Julho de 2011 às 17:56

Devo dizer que soltei uma maravilhosa gargalhada.

O ver para além... é que isola...especialmente, quando resolvemos abrir a boca. A minha perspicácia já me prejudicou mais do que me ajudou, creio...

As pessoas de uma forma geral não só não aceitam a verdade como não estão interessadas em construir o que quer que seja.

A verdade a sangue frio faz um mal danado àqueles que se continuam a sentir maravilhosamente ao lado dos que não inspiram a menor confiança...

E o maior insólito é acabarem por se zangar com quem os salvaria da desgraça e na desgraça, mantendo-se em amena cavaqueira com os serial killers.

A verdade desconstrói e as pessoas gostam de se manter coladas, ainda que aos cacos...

ç guarida
blue a 4 de Julho de 2011 às 19:39

Subscrevo! Mas não desisto!

Ç sempre insistente
eva a 29 de Julho de 2011 às 19:32

mais sobre mim
Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9






pesquisar neste blog
 
blogs SAPO